Volta ao mundo de carona gastando US$10 por dia: Roteiro completo

por Flávio Mendes
Volta ao mundo de carona

Mais de um ano se passou desde que voltamos para o Brasil e cada dia temos mais certeza que parar em um lugar não é para nós. Há um bom tempo estamos planejando nosso retorno e mesmo sabendo que nosso lugar é a Tailândia, continuamos em dúvida.

Uma viagem de volta ao mundo sempre foi nosso sonho, mesmo a gente tendo feito isso em parcelas. Tendo em vista que em nossa última viagem nós acabamos nos isolando um pouco do mundo depois dos 6 meses de viagem, resolvemos que dessa vez na imersão cultural será a meta da viagem.

Tivemos o visto do Japão negado. Também não iremos mais passar pela Coréia do Sul. Sendo assim, nosso roteiro vai iniciar na China e seguiremos o restante como planejado, adicionando os países Bálticos no roteiro.

Planejamento da volta ao mundo de carona

Foi aí que surgiu a ideia de darmos uma volta ao mundo de carona, um jeito um pouco diferente. Durante esse tempo também vamos nos hospedando pelo Couchsuring, acampando, dormindo na rua, em templos, postos de gasolina, rodoviárias, igrejas e na casa de vocês, leitores, se pudermos 😛 .

Carona em Langkawi - MalásiaCarona em Langkawi – Malásia

Pegar uma carona é muito mais do que chegar do ponto A ao B de forma econômica. É conhecer pessoas diferentes, de diversos lugares de mundo e também conhecer sua história. É muito mais do que apenas pensar em não gastar, é ouvir a história e fazer companhia à uma pessoa que parou no meio da estrada para oferecer carona a um desconhecido.

Carona em Kuala Lumpur - MalásiaCarona em Kuala Lumpur – Malásia

Iremos pegar 2 voos durante esse trajeto, já que existe o oceano dividindo esses países. Também iremos utilizar uma ferrovia que estava em nossos planos e nesse país não pegaremos carona. Os países vocês verão mais para frente.

 

Leia também: Como planejar um mochilão pelo sudeste asiático

 

Também priorizamos nos hospedar pelo Couchsurfing, aquela plataforma que você se hospeda na casa de alguém em troca de experiências. Outra vez, muito mais do que se hospedar de graça, é o conhecimento que você irá adquirir ficando na casa de um morador local. As histórias que você vai ouvir, os lugares que irá conhecer, diferente do que se você viajasse e ficasse em um hotel.

Natal de 2015 - CouchsurfingNatal de 2014 – Couchsuring na Suécia

Já tivemos ótimas experiência positivas pegando carona e ficando na casa dos outros e queremos fazer disso pelo menos 80% da nossa viagem. É claro que não vai ser sempre que vamos conseguir carona ou um vaga no Couchsurfing e para isso, teremos que ter outro plano em mente.

Durante nosso trajeto também pretendemos trocar trabalho por hospedagem e alimentação como já fizemos anteriormente pela plataforma Workaway. Trabalhando apenas algumas horas por dia é possível se hospedar e ter algumas refeições diárias, além de aprender um novo tipo de trabalho e conhecer pessoas do mundo todo que também estão lá fazendo a mesma coisa.

Almoço durante o trabalho voluntário em Khanom – Tailândia

O blog cresceu bastante no último ano e com isso a carga de trabalho está sendo demais para mim. A Andressa, minha namorada, já fazia parte do blog, mas até então só cuidava da parte de marketing. Agora ela irá ajudar em todas ás áreas do blog para juntos conseguirmos fazer ele crescer ainda mais.

Durante nosso trajeto iremos fazer parcerias com empresas, órgãos de turismo, hotéis e restaurantes, assim como já fizemos anteriormente, mas isso não será o intuito nem o foco da viagem.

Com tudo isso em mente, nosso plano é fazer essa volta ao mundo gastando no máximo US$10 por pessoa, por dia. Já fizemos viagens gastando US$30, até US$20 por dia e US$10 será um desafio. Mas já vimos pela internet que não é impossível, e até conhecemos pessoas que já fizeram com menos.

Roteiro volta ao mundo de carona

Volta ao mundo de caronaDesde o começo optamos por fazer uma viagem sem planejamento, deixando acontecer. Porém, para os primeiros países do roteiro, teríamos que tirar vistos, bem chatos de fazer, deixando o início da viagem um pouco mais moldada.

Lista de países que pretendemos visitar:

  • Japão
  • Coréia do Sul
  • China
  • Mongólia
  • Rússia

Lista de países que estão no roteiro, mas ainda não decidimos:

  • Ucrânia
  • Moldávia
  • Romênia
  • Bulgária
  • Macedônia
  • Albânia
  • Kosovo
  • Montenegro
  • Croácia
  • Bósnia Herzegovina
  • Eslovênia
  • Itália

Planejamento

Pretendemos começar nosso roteiro no Japão, cruzar de carona até a China de onde pegamos a ferrovia Transiberiana (único ponto que não faremos de carona), cortando a Mongólia e Rússia inteira, parando pelo caminho para conhecer as cidades e continuando de carona por todo o extremo leste europeu.

Descemos pelos países do leste até os países que compõe os Balcãs, pegando uma praia no verão europeu e terminado na Itália onde queremos passar um tempo, fazer trabalho voluntário em uma fazenda e aprender um pouco de italiano.

Nossos planos são de fazer isso entre 12 e 14 meses. Mas como falamos, só temos o planejamento das coisas até sair da China. Tivemos que fazer o visto da China e do Japão com antecedência e planejar bem essa parte.

Como tudo começa

Partimos do Brasil em uma longa viagem de 3 dias em direção a Tóquio, mas antes de chegar lá, a viagem será longa. Isso porque quisemos economizar e pegaremos alguns voos pelo caminho. Nosso primeiro voo para em Detroit nos Estados Unidos, onde fazemos 9 horas de conexão e já aproveitamos para fazer umas comprinhas.

Kyoto - Volta ao mundo de caronaKyoto – Créditos: Zeitblohm – Creative Commons CC.BY 2.0

De Detroit pegamos um voo até Shanghai na China, onde fazemos mais 7 horas de conexão para então, pegar um voo até Tóquio. Partimos dia 17 e chegamos dia 20 no Japão, ja da pra ver que a viagem vai começar do jeito que a gente gosta, com muito perrengue.

Osaka - Volta ao mundo de caronaOsaka – Créditos: Artista desconhecido – Creative Commons CC.BY-SA 3.0

Chegamos em Tóquio, capital do país e durante 45 dias cortamos a ilha principal de norte a sul. Mesmo não querendo fazer nossa viagem correndo, no final das contas ficou um pouco corrido conhecer o Japão. Isso porque colocamos 11 cidades no roteiro e estamos vendo como deixar a viagem mais fluida.

Monte Fuji - Volta ao mundo de caronaMonte Fuji – Créditos: Guilhem Vellut – Creative Commons CC.BY 2.0

De Tóquio vamos para Yokohama, Fuji Kawaguichiko (Monte Fuji), Shizuoka, Nagoia, Nara, Kyoto, Osaka, Hiroshima Nagasaki e Fukuoka. Também pretendemos subir até o topo do Monte Fuji nesse tempo pelo Japão. De Fukuoka pegamos um voo para a cidade de Busan na Coréia do Sul.

Busan - Volta ao mundo de caronaBusan – Créditos: Iwy – Creative Commons CC.BY-2.0

Na Coréia do Sul ficamos mais 20 dias e não temos nada muito planejado no país. Iremos conhecer a cidade de Busan, a segunda maior do país, passar por alguma cidade central e chegar até Seoul, sua capital. Como são poucas cidades para visitar, talvez de pra fazer algum Workaway mais demorado.

 Zhangjiajie - Volta do mundo de caronaZhangjiajie – Créditos: Huangdan2060 – Creative Commons CC.BY-SA 2.0

De Seoul pegamos um voo para Shanghai na China, país que iremos ficar pelo menos 60 dias. A China também estava em nossa lista a muito tempo e pretendemos percorrer as principais cidades. Dentre elas estão Hangzhou, Huangshan, Guilin, Yangshuo, Zhangjiajie, Chengdu, Jiuzhaigou, Xian e Pequim.

Pequim - Volta ao mundo de caronaPequim – Créditos: Arian Zwegers – Creative Commons CC.BY 2.0

Queremos fazer a trilha mais perigosa do mundo em Huashan e eu, Flávio, to com a ideia de fazer um curso intensivo de Kung-fu com monges shaolin em um templo. O curso começa a partir de uma semana e vai até anos, mas pretendo ficar 2 semanas. Nele os alunos ficam em um templo por todo esse tempo, as aulas acontecem de segunda a sexta, 12 horas por dia.

Monte Huashan - Volta ao mundo de caronaTrilha da montanha Huashan – Créditos: sunriseOdyssey – Creative Commons CC.BY-SA 2.0

Essa é apenas uma previsão de dias que só vamos saber quando estiver por lá. Ainda tiramos do roteiro a região de Yunnan, Sichuan e do Tibet, que pretendemos conhecer futuramente.

 

Leia também: 8 maneiras de economizar para viajar mais

 

De Pequim começamos a realizar mais um sonho, percorrer a ferrovia Transiberiana quase que por inteira, cortando a Mongólia e a Rússia, até chegar na Europa. Na verdade essa parte da ferrovia que corta a Rússia se chama Transmongoliana. O legal dessa ferrovia é que você pode ir comprando as passagens dos trechos em separado e ir parando nas cidades pelo caminho.

Ferrovia Transiberiana - Volta ao mundo de caronaFerrovia Transiberiana – Créditos: 3dman_eu – Creative Commons CC0

Pretendemos viajar na classe mais barata e assim, além de economizar, ter contato com moradores locais e conviver esses dias com eles. A ferrovia Transiberiana demora mais de 7 dias para terminar seu percurso de ponta a ponta, isso sem fazer paradas pelo caminho. Nós pretendemos levar entre 30 e 45 dias.

Acampamento nômade - Volta ao mundo de caronaAcampamento nômade – Créditos: Kanenori – Creative Commons CC0

A Mongólia é um país que também tínhamos vontade de conhecer.  Vamos ficar pelo menos 20 dias. Achamos o tempo suficiente para conhecer o essencial. Mesmo o país sendo grande, a maior parte dele é coberta pelo deserto de Gobi. Nesse tempo iremos parar em Ulan Bator, sua capital e ainda estamos planejando o restante. Um dos planos é ficar pelo menos uma semana vivendo com uma família nômade.

Familia nômadeFerrovia Transiberiana – Créditos: The Wandering Angel – Creative Commons CC.BY 2.0

Nesse ponto da viagem será inverno no país, que tem as temperaturas mais frias do mundo, chegando a -40oC. Iremos sofrer nesse ponto da viagem, aliás, praticamente a viagem toda. Vamos no início do outono e passaremos todo o inverno no hemisfério norte da Ásia. Tudo isso para conseguir chegar a tempo e pegar o verão europeu de 2019.

Deserto de Gobi - Volta ao mundo de caronaDeserto de Gobi – Créditos: Christopher Michell – Creative Commons CC.BY 2.0

Continuamos pela Transiberiana e cruzamos a fronteira com a Rússia. Pretendemos fica no país entre 30 e 45 dias. As cidades não estão decididas, mas as que sabemos que valem a pena são Uland-Ude, Irkutsk, Krasnoyarsk, Novosibirsk, Omsk, Gorod, Yekaterinburg, Kazã, St. Peterburg e Moscou.

Lago Baikal - Volta ao mundo de caronaLago Baikal – Créditos: Sergey Gabdurakhmanov – Creative Commons CC.BY 2.0

Daqui pra frente fizemos um esboço de onde pretendemos passar e ainda não pesquisamos nada sobre os lugares, apenas listamos os países do leste europeu e Balcãs com suas principais cidades. Nossa meta é chegar na Albânia em junho e pegar o início do verão nas praias do país que é considerado um dos mais baratos da Europa.

Já deu pra perceber que não será uma volta ao mundo completa, mas os planos são de passar pela Irlanda para relembrar onde tudo começou e de lá, partir para os Estados Unidos. Tudo vai depender de como a viagem vai acontecer.

Durante esse tempo de estrada pretendemos reativar nosso canal do Youtube e também, de tempos em tempos, vamos fazer paradas estratégicas para botar os posts da viagem em dia. Afinal, a viagem é de longa duração, mas o trabalho continua.


Gostou do post? Então deixa seu comentário aí embaixo!!


Contrate o seu passeio aqui

 


Leia também

Inscreva-se
Notifique-me
guest
2 Comentários
Mais velhos
Mais novos Mais votados
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Fabi
Fabi
4 anos atrás

Olá!! No próximo ano iniciamos nossa volta ao mundo e assim como vocês pretendiamos iniciar pelo Japão, em razão do visto. Vi que tiveram o visto negado: vocês tem alguma ideia do motivo? Tenho receio de ocorrer o mesmo, já que a saida seria para outro pais e não de volta ao Brasil.

Estamos viajando pelo mundo desde 2015 e mostrando tudo para vocês aqui no Viaje Leve. Quer conhecer o mundo de uma forma diferente? Vem com a gente que te mostramos!

Sobre o Blog

Brasil

ViajeLeve.net © 2015 – 2023. Todos os direitos reservados.

Nós utilizamos Cookies para melhorar sua navegação pelo blog. Ok, tudo bem O que é Cookie?

2
0
Vamos conversar? Deixe seu comentário!x